Casos clínicos

Quando se trata a raíz do problema

Antes de apresentar o caso gostava de aproveitar para falar um pouco sobre a Medicina Chinesa. Oriunda da China, como o próprio nome indica, a medicina chinesa é holística. Isto quer dizer que o ser humano é não só um todo, como uma parte integrante do meio que o envolve. Na prática quer dizer que o mal/es que pode/m afectar uma pessoa tem relação com todo o ser mas também com todos os factores externos que se relacionam com o mesmo.

Então é relevante saber o estado geral da pessoa pois por mais descabido que possa parecer, este revela o seu estado actual podendo revelar a origem da sua queixa. Para além do seu estado geral, é importante conhecer o meio envolvente. O trabalho (pode revelar esforços em excesso, stress, medo, etc), relação familiar (dá muitas indicações sobre o estado mental/emocional da pessoa), o local onde vive (região húmida, isolada, urbana, etc).

Na análise segundo a medicina chinesa tudo é importante e nada deve ser desvalorizado. Compreender a vida da pessoa e como esta SE RELACIONA é determinante para elaborar um tratamento profundo e completo

Passemos ao caso…

Há umas semanas atrás recebi uma paciente que vinha bastante desanimada.

Na casa dos 50 anos, dizia estar tudo mal. Veio ver-me pois andava a ser tratada perto de mim através da fisioterapia para o seu problema no pescoço. Já há mais de 1 mês que se vinha tratando sem que os tratamentos mostrassem qualquer eficácia.

Mas o seu desânimo não se devia a isso. É que a paciente sofria de muitas coisas; dor no pescoço, insónia, dor temporomandibular (região do maxilar), tendinite no cotovelo, gastrite crónica, cansaço e depressão crónica

Depois de ter partilhado os seus problemas, tentei desdramatizar dizendo que na realidade não tinha muitos problemas mas apenas um desequilíbrio que estava a provocar todos estes problemas. Tentei passar-lhe algum alento pois todos estes problemas deitavam-na ainda mais abaixo, responsabilizando a idade como principal factor para todo este desconforto. Mas a idade não é sinal de doença, é fundamental entender isso!

Vamos aos sintomas que afectavam a paciente:

  • Dor crónica no pescoço, há 4 anos, devido a hérnias cervicais
  • Epicondilite nos dois cotovelos
  • Dormência na mão esquerda, dedo anelar e mínimo
  • Varizes nas pernas
  • Sensação de frio nos joelhos até aos pés
  • Insónia
  • Cansaço
  • Gastrite crónica
  • Hipertensão arterial
  • Depressão

Aparentemente existem muitos sintomas que são distintos, mas para a medicina chinesa tudo se relaciona…

A paciente disse-me em antemão que apenas poderia fazer um tratamento por semana.

Comecei então o tratamento tentando equilibrar o organismo.

Quando vi a paciente na segunda sessão, a paciente relatou melhorias substanciais em todo o corpo, todos os sintomas sofreram alteração

Ao fim de 4 sessões os próprios fisioterapeutas verificaram uma alteração substancial no pescoço. Já a paciente relatou inúmeras melhorias: Sem dor no pescoço, sono regular, menos dor no estômago, menos dor nos cotovelos, menos cansaço…

Pode parecer milagre, mas não. Na realidade quando o corpo caminha na direcção do seu equilíbrio os sintomas começam a regredir até, eventualmente, desaparecerem…

Tonturas e outras complicações

Certo dia recebi uma paciente a sofrer de Tonturas.

Há muito que não se encontrava assim e recentemente que voltou a tê-las. As tonturas são incapacitantes na medida em que lhe dificultam no dia a dia, inclusive na condução. Ligado às tonturas convivia também, diariamente com náuseas.

Os médicos supeitavam de um problema cervical visto que a paciente tinha já diagnosticado hérnias cervicais. Adjacente a esta zona tinha também um problema num ombro, mais concretamente uma tendinose.

Infelizmente os problema não paravam aqui. A paciente possuía sintomas relacionados à menopausa como suores, sensações de calor e, desde há uns anos a esta parte que sentia muita tensão em todo o corpo à noite e sobretudo ao acordar.

Como é habitual nos tratamentos de medicina chinesa, tentamos compreender o que se está a passar no corpo para que este produza todos estes sintomas. Então começamos o tratamento tendo sempre como prioridade a queixa principal, as tonturas.

De notar que a paciente estava também medicada e até ao momento sem grande alteração do seu estado

Fizemos um total de 3 tratamentos até então.

Quando a paciente voltou para o segundo tratamento as tonturas já haviam baixado significativamente, a dor no ombro tinha baixado e a dor no pescoço também. Sentiu diminuição substancial do suor e um pouco ao nível dos calores. No entando ainda acordava com tensão no corpo todo.

Foram feitos alguns ajustes no tratamento e quando voltou para o terceiro disse-me que tinha parado com a medicação pois já não sentia tonturas há muitos dias. O ombro continuava um pouco melhor e os sintomas relacionados com a menopausa haviam desaparecido. A tensão no corpo já se tinha alterado

O que caracteriza a Medicina Chinesa é a sua abordagem holística. A capacidade de ver o corpo como um todo e não de forma desintegrada. Esta característica é fundamental e está na base de grande parte do seu sucesso. A habilidade de encontrar as conexões entre situações que são aparentemente muito distintas, permite resolver muitos desequilíbrios e, por vezes, rapidamente.

Ansiedade

O caso que apresento hoje é o de uma paciente que veio ter comigo sobretudo por sofrer de ansiedade e tensão na região do pescoço e trapézios.

Depressão e ansiedade

A Ana* trabalha com pessoas desfavorecidas e sente muito o problema dos outros. O trabalho é claramente uma fonte de stress. Ao longo dos anos foi acumulando problemas. À data em que me visitou tinha:

  • Depressão
  • Ansiedade
  • Tensão nos pescoço e trapézios
  • Síndrome do cólon irritável
  • Náuseas e vómitos ao acordar
  • Mau hálito
  • Dor menstrual
  • Frio nas extremidades

A principal preocupação da Ana era a ansiedade até porque ela implicava com muitos dos outros sintomas, queria também que a ajudasse a libertar a tensão no pescoço e trapézios que trazia diariamente para o trabalho.

Tratamento

Desde o primeiro tratamento que a Ana sentiu um forte alívio em relação à ansiedade. As suas dores foram progressivamente desaparecendo e no final do 3º tratamento referiu-me que por sua decisão, tinha abandonado a medicação antidepressiva pois sentia-se muito melhor.

Aconselhei-a a consultar o especialista pois, embora a acupunctura seja reconhecida no tratamento da depressão, a dependência química não deve ser lidada com leveza. É aconselhável seguir os conselhos do especialista no caso de parar a medicação, geralmente é feita uma redução progressiva para assegurar que a pessoa não sofra uma regressão do quadro clínico.

A paciente estabilizou ao fim de 3 tratamentos tendo efetuado mais 2 para reforçar a sua condição ainda débil

Palpitações e acupunctura

É habitual conversar com os meus pacientes. Existem algumas vantagens, entre as quais a informação que vai chegando até mim. Certo dia, ao tratar uma paciente já há algum tempo, ela queixou-se de palpitações matinais.

Este era um problema que já existia há bastante tempo e que aceitava como “normal”. Sem perverter o tratamento decidi usar um grupo de pontos específico para este tipo de problemas.

A paciente fez o tratamento agendando consulta para 15 dias depois. Não voltei a ter noticias até altura da sessão previamente agendada. Quando vi a paciente ela referiu-me, surpreendida, que após o último tratamento não voltou a sentir palpitações.

A acupunctura é uma técnica extraordinária conseguindo muitas vezes, obter efeitos rápidos e profundos. De qualquer forma não devemos, nunca, negligenciar sintomas que podem significar problemas mais graves e é por isso, importante, existir acompanhamento médico.

Quando toda a perna é um problema

O caso

A Dona Maria tem 73 anos e quando veio ter comigo ao consultório, vinha algo desalentada pois nada a aliviava dos sintomas presentes.

Há algum tempo que sofre de uma ciatalgia com perda de movimento no pé e alteração de sensibilidade. A região do joelho também se apresenta dolorosa por vezes. A dor na perna é inconstante mas o problema motor do pé está sempre presente bem como a alteração de sensibilidade.

Exames

Revelam problema em L4-L5. Nesta região existe uma estenose severa e um desvio listésico. Em L5-S1 um debrum osteofitário posterior

Confirmam a falta de força e adormecimento no pé direito

Compromisso do nervo peronial direito com raíz em L5.

Alterações degenerativas no menisco interno

O tratamento

Após a apresentação do caso, comecei o tratamento.

A minha estratégia foi usar o método YNSA para tratar esta condição. A craniopunctura de Yamamoto é muito eficaz no tratamento de doenças neurológicas e reumatológicas, razão pela qual foi a minha escolha.

A este sistema adicionei sempre alguns pontos de apoios Tung.

Foram feitos alguns tratamentos, mas a partir do primeiro a paciente pode sentir alterações positivas no seu estado

1º – Logo após o primeiro tratamento a sensação de dor pela perna desapareceu momentaneamente e a sensibilidade no pé aumentou

4º – Aqui já não havia dor ao longo da perna e a sensibilidade no pé havia aumentado. Porém, sofria ainda com alguma dor na planta do pé e também limitações no seu movimento.

7º – Neste tratamento ocupei-me de resolver a dor teimosa na planta do pé que desapareceu e não mais voltou

 

A Dona Maria tem continuado os tratamentos, embora com menos frequência. Neste momento todos os seus sintomas melhoraram e apenas um não desapareceu por completo. A limitação motora no pé continua a existir embora menos exuberante que no início