Casos clínicos

Sequelas da Covid-19

Jovem na casa dos 20 anos que sofreu de Covid-19 pela segunda vez.

O Bruno* não teve grandes sintomas durante a infecção, mas acabou por sofrer de alguns efeitos secundários.

Desde que foi infectado com a Covid-19 desenvolveu sintomas como cansaço, desconforto no peito ao respirar, tonturas, falta de apetite e diarreia.

Já estava assim há várias semanas e por isso decidiu recorrer à acupunctura.

“a Covid-19 deixa várias sequelas que podem durar vários meses. Desde o cansaço, perda de paladar, tonturas, alterações digestivas e menstruais. Muitos dos sintomas subsistem por vários meses pelo que é recomendável que se procure apoio para o reequilíbrio do organismo”

Foi então feito o tratamento seguindo a visão da Medicina Chinesa. Muitos dos sintomas que o Bruno apresentava, aparentemente sem qualquer tipo de conexão e senso, tinham uma leitura bastante objectiva na óptica da Medicina Chinesa. Foi então fácil estabelecer um diagnóstico e proceder então ao tratamento.

Foi feito o tratamento ao paciente que pode logo durante o mesmo, sentir alteração ao nível da respiração.

Na semana seguinte voltei a ver o Bruno, desta vez porque trouxe a namorada para tratamento. Pude verificar que as melhorias sentidas foram substanciais e que encontrava-se bem após o tratamento feito.

A acupunctura tem demonstrado sucesso no tratamento de sequelas da Covid-19

Não espere que os sintomas passem por si, pois podem levar muito tempo, alguns deles podem até não desaparecer. Procure ajuda através do seu médico e/ou através da Medicina Chinesa

Um quadro complexo

Este caso é interessante por ser crónico, profundo e complexo.

A paciente sofre de certos problemas há muito tempo.

Profundo pois alguns dos problemas surgiram após forte choque emocional e complexo pois a paciente desenvolveu, ao longo dos anos, diversos problemas.

  • O que trouxe a paciente foi o desconforto/dor no pescoço e trapézios. A paciente sofre também de hiperlordose.
  • Sofre de dor nos dedos nas mãos e pés que agravam no inverno. Quando isto ocorre a cor dos dedos altera-se para um tom cianosado (provável doença de Raynauld ainda não diagnosticada).
  • Tem também há diversos anos gastrite provocada por Helicobacter Pylori. Tem refluxo ocasional. Sofre também de colite há cerca de 30 anos.
  • A colite surgiu após a perda de um filho em fase gestacional. Desde então que sofre de diarreia e obstipação com a presença de dor abdominal.
  • Tende também à hipoglicémia (baixo valor de glucose no sangue).

Abordagem terapêutica

Nestes quadros complexos, é sempre bom começar pelas prioridades. Embora a Medicina Chinesa e, em particular, a acupunctura sejam holísticas na sua essência, nem sempre se pode fazer tudo de uma só vez.
Devemos sempre tentar entender a disfunção geral do paciente mas sem nunca descurar a melhoria do que mais provoca sofrimento.

Sabendo de antemão que alguns problemas serão mais morosos que outros, decidi abordar numa primeira instância a dor sentida na região do pescoço sem nunca descurar todos os restantes sintomas.

O tratamento

No caso desta paciente, para além do tratamento de acupunctura foram recomendadas diversas alterações nas suas rotinas alimentares para começar a promover a melhoria da sua saúde digestiva. Por mais que a acupunctura possa contribuir, e contribui, se não existirem hábitos diários saudáveis é impossível sonharmos com a cura….

Depois de partilhar tudo aquilo que poderia fazer (os alimentos, a forma como come, os horários, etc), começamos o tratamento adicionando também a massagem.

Foram feitos 3 tratamentos até ao momento, no decorrer de 4 semanas.

Nos dois primeiros tratamentos a dor do pescoço e trapézios desapareceu por completo as alterações abdominais também. Entretanto foi de férias durante uma semana tendo viajado para fora do país de avião.

Quando a voltei a ver no terceiro tratamento a dor no pescoço tinha voltado pois tinha passado imensas horas em viagem de avião e também em viagens de autocarro mal sentada (embora a intensidade da dor fosse menor que a original). Para minha surpresa a questão abdominal mantinha-se estável. Mesmo com toda a viagem e alteração de dieta e ritmos, não teve uma única crise de diarreia nem sofreu de obstipação (em praticamente todas as suas viagens prévias a paciente sofria de intensa obstipação, o que a levava sempre a levar laxantes que acabava por usar).

Este caso, ainda em tratamento, tem muito ainda para restabelecer assim queira a paciente. No entanto, fica aqui uma pequena ideia do contributo da medicina chinesa em paciente com um quadro mais complexo.

Quando a dor não deixa dormir

Recentemente recebi uma paciente que veio com uma dor muito incomodativa por todo o braço, que não a deixou dormir

A paciente

A paciente não tem qualquer tipo de historial de dor. Não tem diagnosticados problemas de coluna, dores no pescoço, estruturas estas que muitas vezes estão envolvidas neste tipo de problemas.

A dor era intensa e permanente por todo o braço, começando no ombro e acabando no dedo mínimo.

Possíveis causas

As omalgias podem ter diferentes causas e é muito importante tentar discernir, diagnosticar a origem do problema. Esta paciente não tinha qualquer historial de problemas de coluna nem histórico de lesões musculares. A única coisa evidente é que tem pouca massa muscular o que favorece entorses e sobrecargas ao nível das articulações e ligamentos.

Os sintomas que a paciente tinha aparentavam o de uma nevralgia, possivelmente de origem cervical.

Alguma tensão no pescoço, dor na região posterior do ombro e desconforto por todo o braço até ao dedo mínimo

O tratamento

Foi feito um tratamento de acupunctura. A paciente estava muito desanimada por não ter conseguido dormir. Muito desalentada e com receio de não sofrer melhorias.

Foi feito um tratamento e recomendado que a paciente regressasse dois dias depois

Acompanhamento

Quando voltei a ver a paciente, ela vinha muito mais animada. A dor do braço tinha desaparecido completamente e já tinha conseguido, finalmente, dormir. Desta vez o que apresentava era aquele desconforto no pescoço que já havia relatado na primeira consulta

Alterei então o tratamento para tratar aquilo que me parecia ser a causa do problema.

Dias mais tarde recebi noticias da paciente dizendo que já estava a 100%, que já estava a trabalhar sem problemas nem qualquer tipo de dificuldade

Importante discernir sempre a origem do problema, nem todos os casos são iguais e requerem sempre uma análise detalhada

Cabeleireira com tendinite no ombro

As tendinites são sem dúvida muito comuns. Podem ocorrer em diversos locais do corpo sendo muito comuns no ombro, cotovelo e pulso. São menos comuns nas pernas a não ser em desportistas de alta competição.

Certo dia atendi uma paciente que mal conseguia trabalhar tal era a sua dor no ombro. Por ser cabeleireira, os movimentos de elevação do braço são constantes e muito importantes. Por isso não trabalhava em condições, nem dava também condições ao ombro para poder recuperar. O tendão necessita de repouso para que a inflamação desapareça. Como não podia parar de trabalhar veio ter comigo

Quando veio ter comigo já tinha feito 30 tratamentos de fisioterapia mas no entanto apresentava grande dificuldade em em elevar o braço para a frente e lateralmente.

O diagnóstico médico era de tenossinovite (inflamação do tendão + inflamação da bainha do tendão) do supraespinhoso e bursite (inflamação da bursa – bolsa localizada no interior das articulações) sub-acromial.

O tratamento

Neste problema o trabalho é um grande inimigo do tratamento pois cada vez que a pessoa mobiliza a estrutura doente o problema agrava. Uma vez que a paciente não podia deixar temporariamente o trabalho decidimos fazer dois tratamentos por semana e analisar como seria a evolução assim.

No total foram feitos 9 tratamentos. A paciente pode sentir melhorias substanciais logo no primeiro!
Cada vez que a paciente saia do tratamento a dor era residual e pudemos verificar que, à medida que as semanas passaram, a dor regressava cada vez com menos intensidade. Ao final de 8 tratamentos a dor no ombro já não incomodava e ao 9 apenas sentia desconforto no ombro no final do dia de trabalho e na manhã seguinte tudo estava bem outra vez.

As tendinites são muito comuns e dificilmente desaparecem por si. É necessário tratá-las pois podem evoluir em diferentes sentidos e nenhum deles agradável. Se sofre deste tipo de problema não hesite e comece desde logo a tratar-se.

Aqui, a acupunctura oferece uma resposta, por norma, rápida e muito eficaz!

Ombro, ruptura muscular

São muitos os problemas que podem afectar o ombro. Este é um caso de uma paciente que sofreu uma ruptura do supra-espinhoso (músculo “rasgado”), uma lesão muito comum.

Quando vi a paciente ela não podia mexer o braço e tinha muita dor. Na altura não tinha sequer um diagnóstico efectuado.

Encontrava-se assim há algumas semanas e decidiu então visitar-me.

Começamos então o tratamento usando acupunctura distal associada a técnicas de micropunctura.

Os resultados foram impressionantes pois a paciente saiu sem qualquer dor e com a mobilidade completa do ombro!

Quando a paciente voltou para o tratamento seguinte, apresentava os mesmos sintomas, dor e pouca mobilidade no braço. Voltei a repetir o tratamento e ela voltou a sair sem dor e com mobilidade.

Passaram-se mais alguns tratamentos e tudo continuou igual. Aconselhei a paciente a fazer um exame ao ombro para tirar algumas dúvidas.

Durante o tratamento, a micropunctura indicava sinais de uma lesão mais importante. O facto da paciente voltar sempre com os mesmos sintomas foi também um forte alerta.

A falibilidade dos exames

A paciente fez uma ecografia e quando veio ter comigo disse-me que não tinham detetado nada.

Achei muito estranho este resultado e disse logo na altura que embora devêssemos confiar no exame havia uma forte possibilidade deste não ter sido bem executado.

Repetimos o tratamento mais algumas vezes até que decidi parar pois os resultados não estavam a ser satisfatórios.

É certo que a paciente já se apresentava melhor, mas ainda com dor e limitação.

Semanas mais tarde teve a possibilidade de me dizer que voltou a fazer uma ecografia a pedido do médico e que lhe tinha sido diagnosticado uma ruptura do supra-espinhoso (músculo situado nas costas na região superior da homoplata). Esta lesão tinha cerca de 2cm, e por isso apresentava tantas dificuldades.

Conclusão

Este não é um caso de sucesso, como não são todos. Este é mais um caso que demonstra por um lado, a capacidade da acupunctura em retirar a dor, por outro a sua limitação quando as lesões estruturais são muita grandes.

Contudo devo dizer que este poderia ser também um caso de sucesso se o tratamento tivesse persistido. Neste tipo de problemas a acupunctura suporta o corpo na regeneração possível e, sobretudo, no tempo em que o corpo encontra compensações para substituir um músculo que deixou de ser funcional.

O final foi de qualquer forma feliz porque a paciente continuou o acompanhamento na fisioterapia e acabou por estabilizar o seu problema ao final de uns meses.

Decidiu fazê-lo na fisioterapia e não na minha clínica por razões económicas pois a prática de acupunctura continua a enfrentar este desafio económico