Acupunctura

Todos os artigos relacionados com a especialidade

Dor crónica

Um dia recebi um jovem emigrante que se encontrava de férias.

This image has an empty alt attribute; its file name is man-with-front-shoulder-pain-1024x683.jpg

Veio na esperança que lhe resolvesse o problema com o qual convivia há já 4 anos.

Há 4 anos teve um acidente e fraturou a clavícula. Nessa altura foi operado e foi colocada uma prótese para estabilizar a mesma. Desde aí que as dores o acompanharam e nunca mais conseguiu ver-se livre delas… Os médicos decidiram remover a prótese o que mais tarde revelou ser uma boa decisão, uma vez que a dor reduziu substancialmente.

Passados 4 anos da fratura o José* continuava a sofrer com dor embora baixa, esta era permanente e com alguns períodos de agravamento. A dor alastrava já para o pescoço e omoplata.

Foi então que a sua tia lhe falou do meu trabalho e que talvez eu o pudesse ajudar.

Quando entrou no meu gabinete o José encontrava-se com a dor em nível 2 (de 0 a 10)

Após termos conversado identifiquei o problema e iniciei o tratamento.

Alguns segundos após inserção das agulhas o José deixou de sentir dor

No final do tratamento aconselhei o José a procurar um terapeuta que o pudesse acompanhar, uma vez que não o poderia consultar mais.

Semanas mais tarde tive a notícia que o José continuava sem qualquer dor.

Pela primeira vez em 4 anos!!!

É fundamental que as pessoas não se deixem abater pelos seus problemas, pois existem sempre uma alternativa. A acupunctura é uma técnica muito eficaz que pode acompanhar outros tratamentos ou servir de solução a alguns problemas que afligem as pessoas. Este é um caso de esperança mas também persistência, pois o paciente não desistiu de procurar ajuda e acabou, finalmente por encontra-la

*nome fictício

Tonturas e outras complicações

Certo dia recebi uma paciente a sofrer de Tonturas.

Há muito que não se encontrava assim e recentemente que voltou a tê-las. As tonturas são incapacitantes na medida em que lhe dificultam no dia a dia, inclusive na condução. Ligado às tonturas convivia também, diariamente com náuseas.

Os médicos supeitavam de um problema cervical visto que a paciente tinha já diagnosticado hérnias cervicais. Adjacente a esta zona tinha também um problema num ombro, mais concretamente uma tendinose.

Infelizmente os problema não paravam aqui. A paciente possuía sintomas relacionados à menopausa como suores, sensações de calor e, desde há uns anos a esta parte que sentia muita tensão em todo o corpo à noite e sobretudo ao acordar.

Como é habitual nos tratamentos de medicina chinesa, tentamos compreender o que se está a passar no corpo para que este produza todos estes sintomas. Então começamos o tratamento tendo sempre como prioridade a queixa principal, as tonturas.

De notar que a paciente estava também medicada e até ao momento sem grande alteração do seu estado

Fizemos um total de 3 tratamentos até então.

Quando a paciente voltou para o segundo tratamento as tonturas já haviam baixado significativamente, a dor no ombro tinha baixado e a dor no pescoço também. Sentiu diminuição substancial do suor e um pouco ao nível dos calores. No entando ainda acordava com tensão no corpo todo.

Foram feitos alguns ajustes no tratamento e quando voltou para o terceiro disse-me que tinha parado com a medicação pois já não sentia tonturas há muitos dias. O ombro continuava um pouco melhor e os sintomas relacionados com a menopausa haviam desaparecido. A tensão no corpo já se tinha alterado

O que caracteriza a Medicina Chinesa é a sua abordagem holística. A capacidade de ver o corpo como um todo e não de forma desintegrada. Esta característica é fundamental e está na base de grande parte do seu sucesso. A habilidade de encontrar as conexões entre situações que são aparentemente muito distintas, permite resolver muitos desequilíbrios e, por vezes, rapidamente.

Ansiedade

O caso que apresento hoje é o de uma paciente que veio ter comigo sobretudo por sofrer de ansiedade e tensão na região do pescoço e trapézios.

Depressão e ansiedade

A Ana* trabalha com pessoas desfavorecidas e sente muito o problema dos outros. O trabalho é claramente uma fonte de stress. Ao longo dos anos foi acumulando problemas. À data em que me visitou tinha:

  • Depressão
  • Ansiedade
  • Tensão nos pescoço e trapézios
  • Síndrome do cólon irritável
  • Náuseas e vómitos ao acordar
  • Mau hálito
  • Dor menstrual
  • Frio nas extremidades

A principal preocupação da Ana era a ansiedade até porque ela implicava com muitos dos outros sintomas, queria também que a ajudasse a libertar a tensão no pescoço e trapézios que trazia diariamente para o trabalho.

Tratamento

Desde o primeiro tratamento que a Ana sentiu um forte alívio em relação à ansiedade. As suas dores foram progressivamente desaparecendo e no final do 3º tratamento referiu-me que por sua decisão, tinha abandonado a medicação antidepressiva pois sentia-se muito melhor.

Aconselhei-a a consultar o especialista pois, embora a acupunctura seja reconhecida no tratamento da depressão, a dependência química não deve ser lidada com leveza. É aconselhável seguir os conselhos do especialista no caso de parar a medicação, geralmente é feita uma redução progressiva para assegurar que a pessoa não sofra uma regressão do quadro clínico.

A paciente estabilizou ao fim de 3 tratamentos tendo efetuado mais 2 para reforçar a sua condição ainda débil

Palpitações e acupunctura

É habitual conversar com os meus pacientes. Existem algumas vantagens, entre as quais a informação que vai chegando até mim. Certo dia, ao tratar uma paciente já há algum tempo, ela queixou-se de palpitações matinais.

Este era um problema que já existia há bastante tempo e que aceitava como “normal”. Sem perverter o tratamento decidi usar um grupo de pontos específico para este tipo de problemas.

A paciente fez o tratamento agendando consulta para 15 dias depois. Não voltei a ter noticias até altura da sessão previamente agendada. Quando vi a paciente ela referiu-me, surpreendida, que após o último tratamento não voltou a sentir palpitações.

A acupunctura é uma técnica extraordinária conseguindo muitas vezes, obter efeitos rápidos e profundos. De qualquer forma não devemos, nunca, negligenciar sintomas que podem significar problemas mais graves e é por isso, importante, existir acompanhamento médico.

Quando toda a perna é um problema

O caso

A Dona Maria tem 73 anos e quando veio ter comigo ao consultório, vinha algo desalentada pois nada a aliviava dos sintomas presentes.

Há algum tempo que sofre de uma ciatalgia com perda de movimento no pé e alteração de sensibilidade. A região do joelho também se apresenta dolorosa por vezes. A dor na perna é inconstante mas o problema motor do pé está sempre presente bem como a alteração de sensibilidade.

Exames

Revelam problema em L4-L5. Nesta região existe uma estenose severa e um desvio listésico. Em L5-S1 um debrum osteofitário posterior

Confirmam a falta de força e adormecimento no pé direito

Compromisso do nervo peronial direito com raíz em L5.

Alterações degenerativas no menisco interno

O tratamento

Após a apresentação do caso, comecei o tratamento.

A minha estratégia foi usar o método YNSA para tratar esta condição. A craniopunctura de Yamamoto é muito eficaz no tratamento de doenças neurológicas e reumatológicas, razão pela qual foi a minha escolha.

A este sistema adicionei sempre alguns pontos de apoios Tung.

Foram feitos alguns tratamentos, mas a partir do primeiro a paciente pode sentir alterações positivas no seu estado

1º – Logo após o primeiro tratamento a sensação de dor pela perna desapareceu momentaneamente e a sensibilidade no pé aumentou

4º – Aqui já não havia dor ao longo da perna e a sensibilidade no pé havia aumentado. Porém, sofria ainda com alguma dor na planta do pé e também limitações no seu movimento.

7º – Neste tratamento ocupei-me de resolver a dor teimosa na planta do pé que desapareceu e não mais voltou

 

A Dona Maria tem continuado os tratamentos, embora com menos frequência. Neste momento todos os seus sintomas melhoraram e apenas um não desapareceu por completo. A limitação motora no pé continua a existir embora menos exuberante que no início