All posts by clinic38-admin

O uso de acupunctura na reabilitação

Sabemos que em problemas que necessitem de reabilitação, a fisioterapia é a escolha de eleição, mas e o que dizer do papel da acupunctura?

Existem inúmeros problemas que requerem reabilitação, alguns deles são: Sequela de AVC, fracturas, rupturas musculares, algumas cirúrgias nomeadamente ortopédicas, etc.

A fisioterapia é desempenha um papel importante, mas será que não existem outras formas que possam ajudar?

Aproveito para partilhar um caso como espécie de argumento…

Caso

Há uns anos recebi uma paciente que já havia tratado anteriormente. Quando me quis visitar foi porque estava a recuperar de uma fratura do antebraço (fratura distal da ulna e rádio). Tinha feito inúmeras sessões de fisioterapia mas continuava com muita dor e limitação no movimento do pulso e dedos.

A paciente decidiu então tentar a acupunctura para obter os resultados que ainda não havia visto.

Quando a recebi mal conseguia abrir a mão e pouco rodava o pulso. Sempre que o tentava fazer tinha muita dor.

Tratamento

Comecei então o tratamento de acupunctura distal, libertando assim o seu braço para executar diversos exercícios enquanto permanecia com as agulhas.

O resultado foi que a dor diminuiu drásticamente e a mobilidade aumentou de forma consistente. Em 6 tratamentos de acupunctura conseguiu melhorar o que em mais de 20 a fisioterapia não fez

Caso

Há uns anos tive também um paciente para reabilitação. Neste caso o quadro era bem mais complexo. Este paciente tinha sofrido um AVC há mais de um ano e estava muito debilitado. Não conseguia andar sozinho nem manter o equilíbrio. Um dos seus braços tinha muito pouca mobilidade, de um dos lados a sua boca estava espástica e o olho não fechava.

Como é prática comum foi sujeito a um tratamento de reabilitação na altura sem nunca ter recuperado substancialmente.

Tratamento

Quando veio ter comigo veio pela mão da sua mulher. Após alguns tratamentos já conseguia andar sozinho. Este foi um caso de tratamento prolongado, cerca de 1 ano. Mas quando o paciente decidiu terminar (haveria ainda muito a fazer) já andava sozinho, já tinha mobilidade no braço, havia recuperado a sensibilidade no pé…

Neste caso o tratamento de base escolhido foi a craniopunctura de Yamamoto (YNSA). Este método permite também que o paciente, enquanto está em tratamento com as agulhas, possa estimular o organismo com vários exercícios de mobilidade.

Estes dois casos servem apenas para exemplificar a contribuição da acupunctura nestes casos de reabilitação. Em vários locais, inclusivamente em Portugal, a acupunctura é usada concomitantemente com a fisioterapia para trazer melhores resultados.
Esse deve ser o caminho. Juntar as melhores estratégias para que os pacientes saiam a ganhar.

Em jeito de conclusão, SIM a acupunctura é uma mais valia nos problemas de reabilitação, e deve ser considerada sempre que a pessoa se depare com um problema do género

Ombro, ruptura muscular

São muitos os problemas que podem afectar o ombro. Este é um caso de uma paciente que sofreu uma ruptura do supra-espinhoso (músculo “rasgado”), uma lesão muito comum.

Quando vi a paciente ela não podia mexer o braço e tinha muita dor. Na altura não tinha sequer um diagnóstico efectuado.

Encontrava-se assim há algumas semanas e decidiu então visitar-me.

Começamos então o tratamento usando acupunctura distal associada a técnicas de micropunctura.

Os resultados foram impressionantes pois a paciente saiu sem qualquer dor e com a mobilidade completa do ombro!

Quando a paciente voltou para o tratamento seguinte, apresentava os mesmos sintomas, dor e pouca mobilidade no braço. Voltei a repetir o tratamento e ela voltou a sair sem dor e com mobilidade.

Passaram-se mais alguns tratamentos e tudo continuou igual. Aconselhei a paciente a fazer um exame ao ombro para tirar algumas dúvidas.

Durante o tratamento, a micropunctura indicava sinais de uma lesão mais importante. O facto da paciente voltar sempre com os mesmos sintomas foi também um forte alerta.

A falibilidade dos exames

A paciente fez uma ecografia e quando veio ter comigo disse-me que não tinham detetado nada.

Achei muito estranho este resultado e disse logo na altura que embora devêssemos confiar no exame havia uma forte possibilidade deste não ter sido bem executado.

Repetimos o tratamento mais algumas vezes até que decidi parar pois os resultados não estavam a ser satisfatórios.

É certo que a paciente já se apresentava melhor, mas ainda com dor e limitação.

Semanas mais tarde teve a possibilidade de me dizer que voltou a fazer uma ecografia a pedido do médico e que lhe tinha sido diagnosticado uma ruptura do supra-espinhoso (músculo situado nas costas na região superior da homoplata). Esta lesão tinha cerca de 2cm, e por isso apresentava tantas dificuldades.

Conclusão

Este não é um caso de sucesso, como não são todos. Este é mais um caso que demonstra por um lado, a capacidade da acupunctura em retirar a dor, por outro a sua limitação quando as lesões estruturais são muita grandes.

Contudo devo dizer que este poderia ser também um caso de sucesso se o tratamento tivesse persistido. Neste tipo de problemas a acupunctura suporta o corpo na regeneração possível e, sobretudo, no tempo em que o corpo encontra compensações para substituir um músculo que deixou de ser funcional.

O final foi de qualquer forma feliz porque a paciente continuou o acompanhamento na fisioterapia e acabou por estabilizar o seu problema ao final de uns meses.

Decidiu fazê-lo na fisioterapia e não na minha clínica por razões económicas pois a prática de acupunctura continua a enfrentar este desafio económico

sinusite

Sinusite e Rinite com dificuldade respiratória

A sinusite e a rinite são problemas muito comuns nos dias que correm.

A paciente que recebi era, globalmente saudável. Fazia muita actividade física, cuidava da sua dieta e tinha uma atenção geral para consigo.

Contuto os seus problemas respiratórios eram grandes. Para começar tinha o septo nasal desviado o que provoca dificuldades na respiração. A Rosa* ressona de noite e acorda sempre com o nariz obstruído.

O TAC revelava uma evidente inflamação nos sinus que corroboravam todos os seus sintomas.

Veio ter comigo porque sentia que nada a ajudava.

Foi então que começamos o tratamento de acupunctura.

Após o primeiro tratamento sentiu alteração na respiração sobretudo numa das narinas. Essas alterações continuaram pelos tratamentos seguintes.

Após o 3º tratamento as alterações foram muito evidentes e começamos a abordar outros desconfortos que a incomodavam.

A acupunctura apresenta resultados muito fortes nas patologias respiratórias, sejam estas puramente inflamatórias ou de origem alérgica.

sinus

É sempre importante aprofundar as causas do desconforto existente que geralmente se encontram, em parte, no meio circundante.

Se sofre de sinusite, rinite ou outros problemas respiratórios não espere mais! Trate-se com acupunctura.

Se costuma sofrer destes problemas sazonalmente, previna! Trate-se antes do problema chegar. A acupunctura é extraordinária se usada como método preventivo.

Para mais informações não hesite em contactar-me

Esgotamento

Depressão crónica

Há dias recebi uma que sofre de depressão crónica. Seguida há vários anos pela psiquiatria, psicologia e medicina geral, decidiu vir visitar-me pois os medicamentos não a estavam a resolver o seu problema.

“à beira de um esgotamento”

Esta paciente perdeu o marido há menos de 1 ano e por isso o sofrimento tem sido ainda maior. Nesta fase da sua vida encontrava-se “à beira de um esgotamento” dizia ela.

Sintomas

Quando veio ter comigo sentia-se extremamente ansiosa, com desconforto no peito, sono difícil. Sentia medo de sair à rua, era-lhe difícil atravessar uma estrada. Sentia falta de decisão e sentia medo de tudo o que se estava a passar à sua volta

A Adelina* já se sentia tão alterada que não conseguia acompanhar as conversas e o ruído fazia-lhe confusão. O seu raciocinio estava confuso e por vezes não confiava na sua memória por não ter a certeza se o que pensava era real ou se havia sonhado.


Mas o que é que a medicina chinesa poderá fazer nestas situações poderão perguntar. A medicina chinesa, sobretudo quando todas as modalidades são integradas, intervém nos mais diversos aspectos do nosso corpo. A sua acção não se limita a tratar a dor, mas também a muitos problemas do foro interno e também psíquico.

Tratamento

Neste caso a estratégia usada foi a acupunctura. A acupunctura intervém a níveis muito profundos do organismo sendo extremamente útil no tratamento de problemas psíquicos.


Numa primeira fase, começamos o tratamento fazendo duas sessões semanais.

  • Após cerca de 3 sessões a Adelina já sentia algumas alterações.
  • À 5ª sessão já se sentia francamente melhor. Menos ansiedade, sono regulado e menos medo. As tonturas não tinham voltado e já se conseguia concentrar mais e conversar.

A partir desse momento começamos a definir uma nova estratégia de tratamento. Diminuir o número de sessões por semana para 1ª. Nessa mesma altura comecei a ensinar a Dona Adelina uma forma de respirar que a iria ajudar a manter-se estabilizada. Sugeri também que prestasse especial atenção à região do peito no dia a dia para perceber qual a sensação que ali existia (é uma forma simples de medir o seu nível de stress). Foi nesse momento que disse algo que me marcou.

“Rafael, se lhe dissesse como estava quando vim e como estou agora…”

Não tinha noção da dimensão das suas melhorias. No caso da Adelina, os medicamentos não estavam a a ser suficientes. Através da acupunctura conseguiu encontrar o equilíbrio que precisava para se voltar a sentir bem.

A Medicina Chinesa não substitui os tratamentos convencionais.

A Medicina Chinesa não faz milagres!

Mas a Medicina Chinesa intervém a diversos níveis no corpo e pode fazer a diferença em muitas situações

*nome fictício

Insónia

Insónia, menopausa e outras queixas…

A acupunctura é conhecida para o tratamento de muitas queixas, principalmente quando relacionadas com a dor. Mas na realidade a Acupunctura trata também muitas patologias que não se manifestam através da dor, como é o exemplo da Insónia.

A Insónia é um problema que afecta muitos portugueses. Não se sabe ao certo quantos, mas acredita-se que cerca de 60% apresentem problemas de sono, 20% não adormecem com facilidade… Portugal pertencem aos países da Europa onde menos se dorme

A Insónia está relacionada com o envelhecimento precoce, com distúrbios de memória, com alterações comportamentais, diminuição do rendimento no trabalho… Raramente esta é levada a sério a não ser que seja realmente incapacitante.

Por estas razões e por outras é muito importante tratar este sério problema.

Mas o que é a insónia?

Simplificando, a insónia é a incapacidade em adormecer com facilidade e manter-se no sono pelo tempo necessário

Quais as causas da insónia?

A grande causa oficial é o Stress. O dia a dia que levamos e a forma como lidamos com ele está, na grande maioria dos casos, na base das insónias. Mas há também situações articulares como; a dor, a perda de um ente querido, Parkinson, alzheimer, depressão, e outras doenças.

Como tratar?

Pela via da medicina ocidental existem diferentes respostas, desde a farmacologia à psicoterapia.

A insónia pode também ter um tratamento acompanhado pela acupunctura. A acupunctura tem efeitos extraordinários no tratamento do Stress e Ansiedade, bem como directamente no tratamento da insónia.

A acupunctura é portanto uma boa técnica à qual se deve recorrer quando a Insónia aparece.

CASO CLÍNICO

Recentemente recebi uma paciente que se encontrava com alguns problemas. Há uns meses fraturou a clavícula e desde então fez cirurgia e tem estado na fisioterapia. Mas não é isto que a trás cá. Embora ainda sofra com algumas dores, a fisioterapia está a fazer bem o seu trabalho e por isso não há necessidade da acupunctura intervir. A sua principal queixa é sentir-se depressiva. Isto acontece desde que apareceu a menopausa, pois com ela surgiram também muitas outras alterações, nomeadamente a Insónia.

Desde que a menopausa surgiu, a Marta deixou de conseguir dormir (acorda muitas vezes e também tem dificuldade em dormir), sofre de afrontamentos e psiquicamente não se sente bem.

Esta depressão surgiu pela primeira vez quando perdeu a sua mãe, agora foi a menopausa a trazer de novo esta instabilidade emocional.

Uma vez que a menopausa fez aparecer a esmagadora maioria dos sintomas que a Marta apresentava, o tratamento focou-se sobretudo no equilíbrio do sistema hormonal que muito sofre nesta fase.

Após o segundo tratamento a Marta já se sentia melhor. O sono já era outro, a transpiração havia diminuído, até as suas dores de costas que havia apresentado na primeira consulta atenuaram. Ainda é cedo para termos certezas quanto ao aspecto depressivo, mas o facto do Sono melhorar, em muito contribui para conseguir ultrapassar o aspecto depressivo.