Um caso incomum, como de resto todos

A doença ou ausência de saúde, é sempre um únco. Temos todos a tendência para estigmatizar um conjunto de sintomas e arrumá-los numa determinada doença, mas por vezes nem isso é possível.

O caso da Sara* é um exemplo evidente desta situação. A Sara é minha aluna de Qi gong e foi numa aula que me revelou a sua situação. Ao praticar os exercícios de Qi gong sentia desconforto e por vezes tinha de parar com o exercício pois sentia alterações ao nível da respiração.

Tudo começou uns meses antes quando a Sara teve uma infecção respiratória. Foi medicada e viu-se livre desse problema mas rapidamente surgiram outros. Dificuldade em respirar, também acompanhado com dor.

Perante a insistência da Sara, os médicos voltaram a examiná-la e logo detetaram um problema de acumulação de ar no estômago. Esse ar saiu parcialmente na altura do exame, o que provocou alívio mas apenas momentâneo.

Uma vez que a Sara me abordou, sugeri-lhe que tentasse o tratamento de acupunctura para tentar regularizar a situação, e assim foi.

Foi feito um tratamento de acupunctura. Após alguns minutos do tratamento ter iniciado, a Sara sentiu alterações ao nível abdominal, como se algo se estivesse a soltar…

“É fantástico poder experiênciar o resultado praticamente imediato numa sessão de acupuntura de um estado arrastado de saúde, onde após vários exames e consultas a médicos (de medicina tradicional) apenas providenciaram o acumular de efeitos secundários de supostos tratamentos. É um grande privilégio poder ter acesso à cura “aparentemente” de uma forma simples e bastante eficaz. Grata pela dedicação, interesse e profissionalismo demonstrados.”

No final do tratamento as melhoras eram já “visíveis”. Uns dias mais tarde voltei a entrar em contacto com a Sara para conhecer o seu estado. Estava francamente melhor.

Na Medicina Chinesa não há doença, mas sim uma pessoa em desequilíbrio. Alguns dirão, isso é irrelevante, pois o que interessa são os resultados. Por um lado SIM, o que interessa são os resultados mas por outro, se não conseguirmos ter uma visão alargada sobre o que afecta a pessoa ficamos limitados na busca de uma solução. Na medicina chinesa o importante é conhecer os mecanismos do corpo e não tanto uma doença em particular. Quando sabemos como o corpo (não apenas físico) se comporta, conseguimos identificar todo e qualquer desequilíbrio

*nome fictício para proteger a identidade da paciente

Rafael Laballe

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *